Google+ Followers

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

13 REGRAS PARA LIDAR COM OS SOCIOPATAS NA VIDA COTIDIANA


Apesar da psicopatia ser mais comum do que se imagina, a maioria das pessoas não sabe nada sobre esse distúrbio e é incapaz de reconhecer os psicopatas não violentos que nos cercam. Psicopatia é o termo mais popular para nos referirmos à sociopatia, distúrbio que se caracteriza pela falta de consciência. Entre seus principais ¨sintomas¨ estão: a incapacidade de adequação às normas sociais; falta de sinceridade e tendência à manipulação; impulsividade; irresponsabilidade persistente e ausência de remorso. Para atingir seus objetivos, o psicopata é capaz de mentir, roubar, manipular e até matar sem sentir culpa alguma. Talvez seja um marido agressivo, um pai que maltrata os filhos ou um chefe que humilha os funcionários.

Embora saibam o que é certo ou errado, os sociopatas simplesmente não se importam com isso. Conhecem as regras da sociedade e entendem como nós, pessoas com consciência, agimos e pensamos - e lançam mão disso para nos manipular e circular despercebidos em nosso meioPara a maioria de nós, é difícil aceitar esses fatos. Eles são aviltantes, injustos e assustadores. No entanto, entendê-los e aceitá-los como um aspecto real do nosso mundo é a primeira das 13 regras para lidar com os sociopatas na vida cotidiana.

1- Aceite a dura realidade de que algumas pessoas literalmente não têm consciência.
Essas pessoas raramente se parecem com Charles Manson ou com o bartender Ferengi de Jornada nas estrelas. Elas se parecem conosco.

2- Em caso de conflito entre os seus instintos e o que se espera de alguém no papel de educador, médico, líder, protetor dos animais, humanista, pai ou mãe, siga os seus instintos.
Querendo ou não, você é um observador constante do comportamento humano e suas impressões não filtradas, apesar de alarmantes e aparentemente estranhas, podem muito bem ajudá-lo se você assim o permitir. Seu instinto entende, sem precisar que lhe digam, que rótulos imponentes e respeitáveis não conferem consciência a quem não tem.

3- Quando pensar em um novo relacionamento, seja de que natureza for, siga a Regra dos Três com relação às afirmações e promessas que a outra pessoa fizer e às responsabilidades que ela tem. Transforme a Regra dos Três na sua política pessoal.
Uma mentira, uma promessa não cumprida ou uma única responsabilidade negligenciada podem decorrer de um mal-entendido. Duas talvez representem um erro grave. Mas três ocorrências indicam que  você está lidando com um mentiroso, e o engodo é a essência do comportamento de quem não tem consciência. Reduza o seu prejuízo e se afaste o mais rápido possível. Por mais difícil que seja abandonar o relacionamento, será melhor fazer isso logo do que mais tarde, quando os danos forem maiores. Não entregue o seu dinheiro, seu trabalho, seus segredos ou seu afeto a quem falhou três vezes. Suas doações valiosas serão desperdiçadas.

4- Questione a autoridade.
Mais uma vez confie nos seus instintos e ansiedades, sobretudo quando se tratar de pessoas que afirmem que a solução ideal para algum problema seja dominar os outros, usar de violência, recorrer à guerra ou alguma outra coisa que viole a sua consciência. Faça isso mesmo se - e principalmente quando - todas à sua volta tiverem parado de questionar a autoridade. Repita para si mesmo o que Stanley Milgram nos ensinou sobre obediência: no mínimo seis em cada 10 pessoas obedecerão cegamente, até o amargo fim, uma autoridade aparentemente oficial. A boa notícia é que, na presença de apoio social, é mais fácil questionar a autoridade. Incentive os que estão à sua volta a questionar também.

5- Desconfie da bajulação.
Elogios são ótimos, sobretudo quando sinceros. Por outro lado, a bajulação é exagerada e agrada nosso ego de uma maneira irreal. É uma característica do charme fingido e quase sempre envolve uma tentativa de manipulação, que, às vezes, pode ser inofensiva e, outras, sinistra. Vigie seu ego afagado e lembre-se de desconfiar da bajulação. Essa regra se aplica tanto a indivíduos quanto a grupos ou mesmo nações inteiras. Ao longo de toda a história e até hoje, a convocação para a guerra sempre incluiu a afirmação de que a força de cada indivíduo pode conquistar a vitória que o mudará o mundo para melhor, um triunfo moralmente louvável, justificado pelo resultado ímpar em termos de feito humano, digno e merecedor de enorme gratidão. Desde que se começou a registrar a história da humanidade, todas as grandes guerras foram assim apresentadas, em todos os lados do conflito e, em todas as línguas, o adjetivo mais frequentemente empregado junto à palavra guerra sempre foi santa. É possível argumentar que a humanidade terá paz quando as pessoas forem, finalmente capazes de enxergar além dessa bajulação magistral. Assim como um indivíduo inflado pela bajulação de um manipulador provavelmente se comportará de forma tola, o patriotismo exacerbado, motivado pela bajulação, é perigoso.

6- Se necessário, redefina seu conceito de respeito.
Muitas vezes confundimos medo com respeito e, quanto mais tememos alguém, mais o vemos como merecedor do nosso respeito. Tenho um gato-de-bengala que foi batizado pela minha filha, ainda bem pequena, de Sr. Músculos porque, quanto filhote, parecia um lutador profissional. Agora, já adulto, ele é muito maior do que a maioria dos outros gatos domésticos. Suas garras afiadas lembram as de leopardos asiáticos - seus ancestrais -, mas seu temperamento é dócil e pacífico. Meu vizinho tem uma gata malhada que costuma nos visitar. O carisma predatório da gata do vizinho é enorme e ela é mestre em fazer cara feia para outros felinos. Sempre que ela está por perto, Sr. Músculos, apesar dos seus 7 quilos, em contraste com os 3,5 da outra, se encolhe e baixa a cabeça, demonstrando temor e deferência. Sr. Músculos é um gato maravilhoso. Afetuoso e encantador, eu o adoro. Ainda assim, gostaria de acreditar que algumas de suas reações são mais primitivas do que as minhas. Espero não confundir medo com respeito, pois, ao fazer isso, eu garantiria a minha própria vitimização. Usemos nossos grandes cérebros humanos para superar a tendência animal de baixar a cabeça para os predadores, de modo a podermos distinguir o desnorteio automático da ansiedade e da admiração. Em um mundo perfeito, o respeito seria uma reação automática dirigida apenas aos forte, aos generosos e aos  moralmente corajosos. A pessoa que se aproveita do medo que causa não possui nenhuma dessas qualidades. A decisão  de separar o respeito do medo é ainda mais importante para os grupos e as nações. O político, mesquinho ou arrogante, que ameaça o povo com lembretes frequentes da possibilidade de crimes, violência ou terrorismo e que depois usa esse medo reforçado para ganhar apoio tem mais chance de ser um trapaceiro bem-sucedido do que um líder legítimo. Isso também tem se mostrado verdadeiro ao longo da história.

7- Não entre no jogo.
A intriga é uma ferramenta do sociopata. Resista à tentação de competir com um sociopata sedutor, de analisá-lo ou mesmo de enfrentá-lo. Além de descer ao nível dele, você estará deixando de se concentrar no que  realmente importa, que é se proteger

8- A melhor maneira de se proteger de um sociopata é evitá-lo, recusar-se a manter qualquer tipo de contato ou comunicação com ele.
Os psicólogos não costumam recomendar que se evite um problema, mas, nesse caso, abro deliberadamente uma exceção. O único método eficaz para lidar com um sociopata é impedir que ele tenha qualquer tipo de acesso à sua vida. Os sociopatas vivem totalmente à margem das regras da sociedade e por isso é perigoso incluí-los em relacionamentos e círculos sociais. Comece a praticar essa exclusão em seus próprios relacionamentos e vida social. Você não magoará ninguém. Por mais estranho que pareça e embora eles possam tentar fingir o contrário, os sociopatas não sentem mágoa. Talvez seus parentes e amigos jamais entendam por que você está evitando determinada pessoa. A sociopatia é incrivelmente difícil de ser percebida e ainda mais difícil de se explicar. Se for impossível evitar completamente o sociopata, tente manter o mínimo de contato que puder.

9- Questione sua própria tendência a sentir pena.
O respeito deve ser reservado aos generosos e moralmente corajosos. A pena é outra reação socialmente valiosa e deve ser reservada para inocentes que estejam de fato sofrendo ou enfrentando um revés da vida. Se, ao contrário, você se vir com frequência sentindo pena de alguém que tem o hábito de magoá-lo - ou outras pessoas - e que busca ativamente sua solidariedade, é quase certo que você esteja lidando com um sociopata. Ainda nessa linha, lhe recomendo que questione seriamente a sua necessidade de ser educado em toda e qualquer situação. Para os adultos normais na nossa cultura, ser ¨civilizado¨ é um reflexo, e muitas vezes nos mostramos automaticamente corretos, mesmo quando alguém nos enfurece, mente ou nos apunhala pelas costas. Os sociopatas tiram grande proveito dessa cortesia para explorar os outros. Não tenha medo de fechar a cara e, com tranquilidade, ser direto.

10- Não tente recuperar os irrecuperáveis.
Uma segunda (terceira, quarta e quinta) chance deve ser dada aos indivíduos que têm consciência. Se você estiver lidando com alguém sem essa característica fundamental, aprenda a engolir em seco e reduzir seus prejuízos. A certa altura, a maioria de nós precisa aprender a lição importante, ainda que desanimadora, de que, por melhores que sejam as nossas intenções, não podemos controlar o comportamento - e menos ainda o caráter - de outras pessoas. Aceite esse fato e evite a ironia de nutrir a mesma ambição que o sociopata - controlar. Se não é isso que você deseja, mas ajudar os outros, dedique-se apenas àqueles que realmente queiram ser ajudados. Acredito que você descobrirá que a pessoa sem consciência não está entre eles. Você não é, em absoluto, culpado pelo comportamento do sociopata. Da mesma forma, ele não é responsabilidade sua. A sua responsabilidade é cuidar de sua própria vida.

11- Nunca concorde, por pena ou por qualquer outra razão, em ajudar um sociopata a esconder seu verdadeiro caráter.
O apelo ¨ Por favor, não conte¨, em geral em tom choroso e rangendo os dentes, é uma marca registrada de ladrões, pedófilos e sociopatas. Não dê ouvidos a esse canto da sereia. Os outros merecem ser alertados, enquanto os sociopatas não merecem que você os proteja. Se alguém desprovido de consciência insistir que você lhe ¨deve¨ isso, lembre-se do seguinte: ¨ Você me deve essa¨ tem sido o chavão dos sociopatas por mil anos e continuará sendo. Costumamos ouvir ¨ Você me deve essa¨ como uma cobrança da qual não podemos escapar, mas não é assim. Não escute. Ignore também outro chavão: ¨ Você é igualzinho a mim.¨ Você não é.

12- Defenda sua psique.
Não permita que uma pessoa sem consciência - ou várias - convença você de que a humanidade é um fracasso. A maioria dos seres humanos tem consciência e é capaz de amar.

13- Viver bem é a melhor vingança.










Fonte: Meu Vizinho é um Psicopata - Martha Stout, Ph. D. - Editora Sextante
PSICOTERAPIA BENEFICIA AS PESSOAS! http://psicologaneatauil.blogspot.com